Formação de capital humano para a transformação digital -  Especial - Agência Telebrasil

Brasil padece de boa formação dos professores em inglês

14/11/2019

Um estudo da British Council, organização internacional do Reino Unido para relações culturais, aponta que o ensino de inglês, em especial nas redes públicas, é muito aquém do desejado para a formação de uma mão de obra qualificada. A partir de 2020, as aulas de inglês serão obrigatórias para estudantes do 6º ano do ensino fundamental até o fim do ensino médio nas escolas brasileiras.

O levantamento levou em conta sete indicadores - currículo, formação de professores, oferta ampliada de ensino, monitoramento, avaliação, proporção de professores concursados e habilitação em língua estrangeira - para atribuir uma pontuação para cada Estado do País. 

Com 19 pontos, o Paraná apareceu na primeira posição. São Paulo desponta na terceira posição com 14 pontos. O Distrito Federal aparece na quarta posição com 12 pontos. O Rio de Janeiro fica atrás e está na nona posição com 11 pontos. Os Estados do Nordeste - Bahia e Sergipe empatam nas últimas posições com apenas 7 pontos.

De acordo com o censo de 2017, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), o Brasil conta com 62.250 professores de língua inglesa, mas menos da metade deles - 45,3% tem formação efetiva em língua estrangeira e apenas 60,7% trabalham em regime efetivo nas escolas públicas. 

O estudo britânico destaca que a maioria dos professores no Brasil não tem fluência no idioma estrangeiro e o material didático não acompanha a proposta pedagógica da rede. O levantamento destaca ainda que aproximadamente 1,3 milhão de alunos não têm aulas de inglês por falta de professores capacitados. 

A gerente sênior para inglês da British Council, Cíntia Toth, de modo geral, a língua inglesa é a principal ensinada no Brasil, mas há oscilações e o espanhol- principalmente na fronteira com países de língua espanhola - ganha a preferência. Para melhorar a performance do professor brasileiro, a especialista sugere que os educadores sejam liberados para investir mais na formação, fato que não acontece em muitas escolas nacionais. Também diz que os professores deveriam ter mais interesse em participar de atividades de capacitação. 

O Ministério da Educação destacou que por meio do Projeto Forma Brasil Docente mapeia as necessidades dos professores das escolas públicas da educação básica e que há a possibilidade desses profissionais se capacitarem por meio de programas, entre eles, a Universidade Aberta do Brasil (UAB), que possui ofertas de cursos de ensino a distância.

Futuro do trabalho: Saiba quais são os 10 comportamentos essenciais para ser um profissional em TICs

Inteligência emocional, pensamento analítico, criatividade são alguns dos comportamentos exigidos no novo modelo de trabalho. Estudo do Fórum Econômico Mundial mostra que, em cinco anos, mais de um terço das habilidades necessárias vai mudar.

Ler, informar e estudar: o tripé essencial do profissional buscado no mercado

O Brasil vive um paradoxo onde muitas pessoas estão à procura de emprego e não acham, e ao mesmo tempo, as empresas têm dificuldades para encontrar o candidato adequado, observa Mônica Flores, presidente da ManpowerGroup para a América Latina.

Brasil padece de boa formação dos professores em inglês

A partir de 2020, as aulas de inglês serão obrigatórias para estudantes do 6º ano do ensino fundamental até o fim do ensino médio, mas muitos professores estão longe de estarem preparados para ensinarem a língua estrangeira.

Jovem de 18 anos cria modelo de alfabetização a partir do uso da robótica

Filha de pescador e dona de casa, Ivia Tainá está à frente de um projeto que une a tecnologia à educação em Santa Luzia do Itanhy, no Sul do Sergipe.


Formação de capital humano para a transformação digital - clique aqui e veja todo o especial.

Agência Telebrasil
Copyright © 2019 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações
A Reprodução do conteúdo da Agência Telebrasil é autorizada mediante a indicação da fonte